Untitled Document
Untitled Document
Reitoria
Graduação
Pós-Graduação
Serviços
Biblioteca
Estrutura
Localização
Vestibular
Medicina
Jogos
Empresa Júnior
 







 
Untitled Document
Untitled Document
Estudo feito por alunos da Enfermagem conclui que estresse pode ser causador do câncer
Assunto foi escolhido para ser publicado em revista renomada no país
 
27/06/2017 - 18h - D.C.

Como o estresse pode transformar células saudáveis em cancerígenas? A partir desse questionamento, as alunas do curso de Enfermagem do UniSALESIANO de Araçatuba, Maria Lúcia Parizatti Capriste e Nathália Duarte de Moraes, que se formaram no ano passado, resolveram mergulhar na literatura para buscar essa resposta e desenvolver o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso).

Para isso, contaram com a ajuda da Profª. Vivian Aline Preto, que está fazendo seu doutorado na USP (Universidade de São Paulo) em Ribeirão Preto e é especialista em estresse.

A partir do trabalho voltado à leitura de artigos, livros e revistas dos principais autores que focam neste assunto, elas entenderam que o estresse chega a um determinado ponto que esgota o organismo a ponto de o ser humano não ter mais condições de lutar contra ele, podendo resultar assim na transformação das células sadias em células cancerígenas. “O estresse vai atacar o sistema nervoso, endócrino e imunológico. Isso altera funções celulares, causando imunodepressão no organismo, abrindo oportunidade para o aparecimento do câncer”, explicou Nathália.

Já Maria Lúcia, que hoje trabalha em uma UBS (Unidade Básica de Saúde) de Birigui, lembrou que o estresse pode ocasionar a neoplasia maligna, mas o corpo pode trabalhar para combatê-lo antes que adoeça. “Diferente de adquirir o câncer pela genética ou pelos hábitos rotineiros, como beber e fumar”, citou. Ainda destacou que estudos apontam que o estresse leva ao aumento do consumo de álcool e tabaco, o que mostra que indiretamente esteja contribuindo para o aparecimento do câncer.

Por sua vez, a professora Vivian frisou que o estresse tem quatro fases: alarme, resistência, quase exaustão e exaustão. “O alarme é quando você se depara com uma onça e, automaticamente, seu organismo dá uma resposta, principalmente com liberação de adrenalina. Quando o estresse acaba se tornando crônico, entre na fase da resistência, que é quando o corpo começa a manifestar sintomas e buscar recursos para o enfrentamento do estresse", disse.

Vivian alerta que o hormônio cortisol é essencial ao corpo humano, mas em excesso causa malefícios ao organismo, como irritabilidade, insônia, agitação. “Se não conseguir sair desse estresse, entra nas fases de quase exaustão e exaustão, que é quando o organismo não tem mais recursos para lutar contra o estresse, podendo causar câncer, entre outras doenças como depressão, hipertensão, doenças infecciosas e gastrointestinais", completou.

Após os estudos, as participantes elaboraram o artigo “Reflexões sobre a Influência do Estresse Crônico na Transformação de Células Saudáveis em Células Cancerígenas”. O trabalho, que recebeu nota 10 na apresentação do UniSALESIANO, foi publicado recentemente na revista Reuol, periódico online da Universidade Federal de Pernambuco. Essa é a sétima publicação do curso de Enfermagem da instituição.

"Essa revista tem um qualis muito conceituado e é muito importante para nós essa publicação, pois os nomes dos envolvidos é visto nacional e internacionalmente”, comentou Vivian, ao ressaltar que agrega valores para os currículos das alunas.

Para o UniSALESIANO, uma instituição incentivadora de pesquisas, publicações em revistas é um dos critérios de avaliações do MEC (Ministério da Educação). “Se o índice de produção bibliográfica é alto, isso significa que a universidade realmente incentiva a pesquisa", afirmou Vivian, ao destacar o apoio recebido pela instituição por parte de direção e coordenação para o desenvolvimento de projetos.

 
Untitled Document
 
 
 


Untitled Document
© 2003 - 2015 | Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium - Todos os Direitos Reservados eXTReMe Tracker